Coleta de Celulas para tratamento veterinário

COLETA DE CÉLULAS

A coleta do tecido adiposo (gordura) é realizada com o animal anestesiado ou sedado com e anestesia local, através de uma pequena incisão na parede abdominal, e logo abaixo do tecido subcutâneo, sendo retirado um fragmento de aproximadamente 1cm de diâmetro.

A sutura é feita com 2 ou 3 pontos simples, que podem ser retirados após 10 dias da incisão.

As células adiposas se encontram em todos os tecidos do organismo adulto e tem a capacidade de aumentar em número e volume ao longo da vida.
Tais modificações ocorrem devido à presença e ação das células-tronco no tecido adiposo.

A hipertrofia ocorre em resultado da quantidade de lipídios armazenados nos adipócitos individuais, enquanto que na hiperplasia, tais alterações são mediadas pela geração de novos adipócitos e remodelação da vascularozação do tecido adiposo. Assim, há muitos anos, pesquisadores estudaram o potencial adipogênico de pré-adipócitos, que se encontram no interior do estroma vascular do tecido adiposo

Posteriormente, foi descoberto que células-tronco de tecido adiposo além de serem comprometidas com a diferenciação adipogênica e angiogênica podem se diferenciar tanto em células musculares lisas como em células endoteliais.

Este achado ampliou significativamente o nosso conhecimento sobre as células-tronco do tecido adiposo, sugerindo que o mesmo contém células-tronco com propriedades semelhantes, embora não idênticas às células-tronco derivadas da medula óssea.

Atualmente, nos referimos a estas células como: células-tronco do tecido adiposo.

O tecido adiposo é constituído basicamente por duas populações celulares: os adipócitos maduros e a fração estromal-vascular que é constituída de diversos tipos celulares dentre os quais as células do músculo liso, células endoteliais, fibroblastos, células sanguíneas, pré-adipócitos (células indiferenciadas, porém, já comprometidas com a linhagem adipogênica), dentre outros. As células-tronco adultas multipotentes presentes na fração do estroma-vascular são capazes de dar origem a diferentes fenótipos tais como osteócitos, condrócitos, linhagens miogênicas, tecido nervoso e cardiomiócitos.

Estudos demonstraram que além da capacidade de se diferenciarem em células precursoras de vasos sanguíneos, as células-tronco adultas multipotentes são capazes de liberar potentes fatores angiogênicos. Sabe-se que a quantidade de células-tronco no tecido adiposo, após a digestão, enzimática com colagenase e subsequente eliminação dos adipócitos maduros é de 1 para 500 células (endoteliais, sanguíneas e outras).

Estes valores representam quinhentas vezes mais quando comparado com a frequência de células-tronco que pode ser isolada da medula óssea (1 para 50 000 e ou 1 para 100 000).

Desta forma, espera-se uma maior eficiência na terapia celular quando se utiliza células-tronco originárias do tecido adiposo, em comparação as células-tronco isoladas da medula óssea.

A característica mais atrativa do tecido adiposo como fonte de células-tronco é a sua facilidade de coleta não apresentando um grande comprometimento para a saúde animal.

Comparado com outros tecidos, o tecido adiposo permite a obtenção de grandes quantidades de células-tronco que são processadas, expandidas e criopreservadas.